saiba mais continuar O site da Geonatlife faz uso de Cookies de modo a que possa ter a melhor experiência de utilização de todas as suas funcionalidades, não recolhendo informação pessoal. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.
slider slider slider slider slider slider slider slider slider slider slider slider slider

Notícias

Como manter o sistema imunitário forte

O sistema imunitário é essencial para todos os seres humanos. Ele protege o corpo de patogénicos como vírus ou bactérias que podem causar doenças. Assim que os patogénicos entram no corpo, o sistema imunitário é responsável por combatê-los de várias formas.
 
Uma defesa imunitária forte, ajuda-o a ficar em forma, eficiente e resistente às doenças. Mas como podemos nós fortalecer o nosso sistema imunitário?
Em primeiro lugar: A nossa dieta tem uma influência muito decisiva sobre este processo. Aqui ficam algumas recomendações importantes.
 
 
 
1. Proteínas e micronutrientes suficientes
 
Certifique-se de seguir uma dieta variada e equilibrada, com muitos vegetais e frutas. Isso garante um fornecimento de micronutrientes vitais. Além disso, o suficiente fornecimento de proteína é também crucial, pois um ideal metabolismo de proteínas não é apenas importante para a construção e manutenção da massa muscular, mas também para muitas outras funções. (e.g. anticorpos, células sanguíneas, enzimas, hormonas, sistema imunitário). Defesas fortes dependem não apenas de proteínas, vitaminas e minerais, mas também de uma microflora intestinal saudável. Além disso, existem vários outros nutrientes que, devido às suas propriedades específicas, fornecem um amplo espectro de efeitos e, portanto, contribuem para o vital bem-estar e estilo de vida ativo.
Clique aqui para encontrar os produtos adequados.
 
DICA: Certifique-se de consumir aprox. 25 g de proteína a cada 3 - 4 horas. Se isto não puder ser suficientemente coberto pela dieta normal (e.g. à tarde), suplementos de proteína (barras proteicas, batidos de proteína) são uma alternativa conveniente e de alta qualidade.
Aqui encontrará os produtos proteicos adequados.
 
 
2. Sol e vitamina D
 
A vitamina D desempenha um papel importante para o sistema imunitário e para as próprias defesas do corpo. É formado principalmente na pele pela radiação solar. Portanto, uma deficiência de vitamina D é particularmente predominante durante os meses de inverno. A deficiência de vitamina D é muito comum, especialmente em países com menos horas de sol, e é favorecida por um estilo de vida em ambiente fechado e possivelmente por excessivos meios de proteção solar. A vitamina D é a única vitamina que pode ser produzida pelo próprio corpo, quando a luz solar (excluindo a radiação UVB) atinge a pele, a menos que seja aplicado protetor solar, o que impede quase por completo a sua formação. A hora do dia com a maior índice de radiação UVB é ao meio-dia, mas também é quando a intensidade do sol é maior e o risco de queimadura é mais alto. Então, como podemos proceder para obter vitamina D suficiente? 
 
- Pequenos periodos de exposição ao sol: cerca de 15 a 20 minutos ao sol do meio-dia são suficientes para encher as reservas de vitamina D. Durante esse período, a proteção do próprio corpo contra queimaduras solares prejudiciais é geralmente suficiente.
- Ingestão de vitamina D através de suplementos alimentares. Esta é uma forma simples de fornecer vitamina D ao organismo em caso de necessidade de fortes medidas de proteção solar.
 
DICA: O OMEGA 3 PLUS da SPONSER contém ácidos gordos ômega 3 valiosos, além de uma ração diária de vitamina D.
 
 
3. Desporto e Exercício
 
O desporto influencia a nossa saúde e sistema imunitário de várias formas. O exercício tem um efeito positivo no corpo e na mente, portanto, contribui para a saúde, por exemplo, através do aumento da libertação de hormonas da "felicidade". O desporto afeta também diretamente o nosso sistema imunitário. A ativação da circulação não apenas melhora a aptidão física e o bem-estar geral, mas também treina e prepara o sistema imunitário e os seus vários mecanismos. O desporto reduz também o stress. Isso tem um efeito positivo na qualidade do sono, sendo este também um pilar importante de um forte sistema imunitário. 
 
Seja corrida, ciclismo, caminhada ou treino indoor. Faça o que mais gosta! O exercício curto e moderado de 20 minutos é eficaz de várias formas, e.g. anti-inflamatório.
 
Carga moderada: Note que o treino muito exigente também poderá ter um impacto negativo. Se o sistema imunitário já estiver em perfeito estado de funcionamento, exercícios mais difíceis não são recomendados. Portanto, é importante que você não se exercite se tiver uma infecção! Nesse caso, o corpo precisa de descanso e o stress adicional apenas retarda a recuperação. 
 
DICA: Exercite-se diariamente de maneira moderada e da forma que mais gosta. Não importa se precisa de melhorar a sua resistência, estrutura muscular ou moldar o seu corpo, irá encontrar o produto certo aqui.
 
 
4. Stress Reduzido & Bom Humor
 
O stress constante deixa-nos doentes! Tem um efeito negativo no sistema imunitário, causa aumento dos níveis das hormonas do stress e, portanto, enfraquece significativamente o corpo.
 
Para os seres humanos, o stress e as hormonas de stress libertadas (principalmente adrenalina e cortisol) fazem sentido do ponto de vista evolutivo como uma reação de curto prazo por parte do corpo a uma situação excepcional, como fuga ou luta. Aqui elas garantem a liberação de reservas adicionais de energia do corpo, o que nos ajuda a sobreviver aumentando o desempenho físico. A única diferença é que um nível alto de hormonas do stress não se destina a ser um estado permanente.
 
Inúmeros estudos já se debruçaram sobre os efeitos do stress no nosso sistema imunitário (psico-neuro-imunologia). O resultado foi sempre o mesmo: com stress permanente, o número total de células imunes no sangue e a sua atividade diminui, originando o enfraquecimento da defesa imunitária. Adoecemos mais cedo e com mais frequência porque vírus, bactérias e germes encontram menos resistência. Uma flora intestinal saudável como barreira importante contra germes patogênicos é também crucial neste contexto, para que estes não possam penetrar facilmente no sangue.
 
Para uma flora intestinal saudável, a nutrição é de importância central. Uma dieta rica em açúcar aumenta o nível da hormona do stress (cortisol), enquanto uma dieta rica em fibras alimentares (salada, legumes) tem um efeito prebiótico e promove uma flora intestinal saudável. Alimentos fermentados (iogurte, queijo, etc.) também têm um efeito positivo devido às bactérias probióticas que contêm.
 
DICA: Sempre que possível, tente eliminar circunstâncias stressantes e planeie conscientemente o tempo de relaxamento. O desporto ajuda uma pessoa, a música, a caminhada ou a meditação ajuda outra. Não importa o que seja, descubra o que melhor funciona consigo, com o que sente melhor e use-o! Faça uma dieta variada e saudável, rica em fibras e evite alimentos açucarados.
 
 
5. Sono suficiente
 
Quanto melhor o nosso sono, mais eficaz será o nosso sistema imunitário!
 
O bom sono potencia o nosso sistema imunitário. A privação do sono, por outro lado, faz com que nossas células de defesa, que identificam e matam as células infectadas, funcionem com menor eficácia. Menos anticorpos são produzidos. No entanto, são essenciais na luta contra patogénicos (vírus, bactérias, etc.) e, portanto, um pré-requisito para se manter saudável e, se possível, não ficar doente em primeira mão.
 
A falta de sono também tem um efeito indireto em nosso sistema imunitário, pois as hormonas do stress não podem ser decompostas uniformemente (veja a dica 4). Atualmente, a falta de sono é uma das principais causas de stress, com consequências a longo prazo!
 
Tanto a quantidade quanto a qualidade do sono são cruciais. A maioria das pesquisas sugere que 7 a 9 horas são ideais para a maioria das pessoas. Muitas pessoas parecem achar cada vez mais difícil dormir bem e profundamente. Uma boa higiene do sono pode ajudar. Por exemplo: horários regulares para acordar e adormecer, sem grandes refeições tardias, ambiente para dormir (luz, temperatura, ruído, suprimento de oxigênio). Por outro lado, álcool e tabagismo têm um efeito negativo na qualidade do sono. A cafeína deve ser evitada o mais que possível nas últimas horas antes de adormecer, assim como o uso do smartphone devido ao seu componente de luz azul.
 
Além da boa higiene do sono, a atividade física regular (consulte a dica 3) também afeta positivamente o sono. Recomenda-se fazer coisas calmantes à noite para adormecer mais rapidamente.
 
DICA: Além disso, auxilie os seus processos hormonais e regenerativos durante o sono com uma "proteína noturna". Sendo de digestão lenta, garante um fluxo contínuo de aminoácidos na corrente sanguínea.
 
 
6. Vitaminas, minerais e substâncias vegetais secundárias
 
Se o corpo tiver vitaminas, minerais e substâncias vegetais secundárias suficientes à sua disposição, o sistema imunitário poderá ter um melhor suporte e os agentes patogênicos (vírus, bactérias) poderão ser afastados com maior eficiência. Esta conclusão está resumida em vários estudos.
 
As vitaminas C, D, o oligoelemento zinco, e também muitas das substâncias vegetais secundárias são particularmente importantes no auxilio a um sistema imunitário saudável.
 
A vitamina C é um antioxidante que protege o corpo do stress oxidativo e dos efeitos prejudiciais às células. As frutas, em particular os citrinos, são fontes particularmente ricas em vitamina C.
 
A vitamina D (ver dica 2) é produzida principalmente na pele pelos raios UVB, no entanto, também pode ser absorvida através de alimentos. Os alimentos particularmente ricos em vitamina D são peixes (salmão, arenque, atum), fígado, queijo ou ovos. Alternativamente, a vitamina D pode também ser tomada sob a forma de suplemento.
 
O zinco como oligoelemento é também de grande importância para o sistema imunitário. O zinco está envolvido em inúmeros processos metabólicos, incluindo a formação e ativação de células de defesa e muitas enzimas. Inibe também a reprodução de vírus invasores.
 
As forças de defesa do corpo dependem em muito do equilíbrio dos níveis de zinco, e é por isso que um fornecimento adequado de zinco é de grande importância. O zinco é encontrado principalmente em carnes, nozes e cereais.
 
Os compostos vegetais secundários são encontrados em uma ampla variedade de alimentos, incluindo frutas e legumes. Têm propriedades antioxidantes pronunciadas, bem como influência na promoção da saúde, e.g. reduzindo o stress oxidativo e, apoiando assim o sistema imunitário.
 
DICA: IMMUNOGUARD é um suplemento alimentar à base de plantas com ingredientes funcionais, substâncias vegetais secundárias, vitaminas e zinco. Foi desenvolvido com o objetivo de fortalecer o sistema imunitário de várias formas e proteger o corpo do stress oxidativo.
 
 
7. Pré & Probióticos
 
A nossa flora intestinal é composta por numerosas e diferentes estirpes de bactérias. A manutenção de uma flora intestinal saudável é de uma importância vital, pois serve como primeira linha de defesa contra germes patogênicos. As bactérias intestinais podem ser especificamente apoiadas por pró e prebióticos.
 
Prébioticos, fibras alimentares solúveis e outras são naturalmente encontradas nas partes fibrosas das frutas e legumes. As bactérias intestinais transformam estas fibras em ácidos gordos de cadeia curta que promovem a saúde, razão pela qual as fibras solúveis (como a inulina e os frutooligossacarídeos) são também denominadas por prébióticos.
 
Os probióticos, ao contrário, são estirpes bacterianas ativas que ocorrem na nossa flora intestinal natural e cuja ingestão regular em quantidades suficientes apóia a manutenção de uma flora intestinal normal e saudável. Alimentos especialmente fermentados como iogurte ou queijo contêm bactérias probióticas (e.g., Bifidus ou Lactobacillus).
 
DICA: Tente incluir pelo menos um alimento probiótico fermentado, como iogurte natural (sem adição de açúcar) ou queijo em sua dieta diária. Coma frutas inteiras, com a pele, se possível, em vez de beber suco de frutas. No que diz respeito ao teor de fibras, os vegetais são geralmente preferíveis aos frutos.
 
As barras PROTEIN LOW CARB da SPONSER® são também ricas em fibras alimentares solúveis e fornecem naturalmente proteínas de alta qualidade. Também são especialmente enriquecidos com prebióticos o LOW CARB PROTEIN SHAKE. Prebióticos e probióticos podem ser tomados simultaneamente. Ideal e saboroso é, por exemplo, um iogurte natural combinado um dos três deliciosos sabores de LOW CARB PROTEIN SHAKES.
 
 
8. Colostro & Nucleotídeos
 
O colostro bovino, também conhecido como primeiro leite, é produzido a partir do primeiro leite das vacas logo após o parto. O colostro é rico em nutrientes que melhoram o crescimento, como imunoglobulinas e lactoferrina. Assim, o colostro fornece co-fatores valiosos para a manutenção de forças de defesa saudáveis e o bem-estar geral, além do seu conteúdo puro de proteínas. Porque a proteína não é apenas usada para construir e manter a massa muscular, mas também necessária para a formação de células de defesa, enzimas e hormonas.
 
NUCLEOTÍDEOS são os componentes do RNA e do DNA do corpo. Eles são usados para a rápida multiplicação celular e, portanto, desempenham um papel importante em situações de aumento do stress e uma resposta imunitária aprimorada do corpo. Sempre que for necessária uma rápida regeneração celular, e.g. também no caso de infecções e doenças, quando o sistema imunológico precisa de produzir células de defesa rapidamente. Existem também estudos adicionais em atletas, que mostram que a ingestão regular de nucleotídeos por mais de 4 semanas fortalece a função imunitária após exercícios mais intensos.
 
DICA: O IMMUNOGUARD fornece cerca de 300 mg de nucleotídeos de extrato de levedura por saqueta. São recomendadas 1a 2 saquetas durante períodos de stress para o sistema imunitário.
 
 
9. Evitar álcool e nicotina
 
Além do stress (veja a dica 4), o álcool e a nicotina estão entre os fatores cruciais para uma função imunitária prejudicada. O álcool inibe a atividade das próprias células de defesa do corpo, os chamados glóbulos brancos. Em particular, as chamadas "células sequestradoras", que estão na linha de frente na luta contra patogénicos externos, como vírus, são prejudicadas em sua função.
 
Fumar ataca o sistema imunológico. O sistema dedefesa do corpo é reduzido e, principalmente devido a um sistema brônquico comprometido, patogénicos como vírus e bactérias podem penetrar mais facilmente e sobreviver por mais tempo.
 
Dados médicos mostram também que os fumadores são comparativamente muito mais propensos a morrer de doenças infecciosas tratáveis do que os não fumadores.